Berlim, a Cidade que já foi Dividida

Muitos imaginam que Berlim seja uma cidade austera e sem atrativos. Talvez, porque a cidade foi palco de acontecimentos muito tristes nas Guerras Mundiais e centro de tensão durante a Guerra Fria. Entretanto e atualmente, Berlim é o oposto de tudo isso: vibrante, desenvolvida, alegre e com um povo acolhedor e simpático com o turista. Visitá-la é ter a oportunidade de ficar frente a frente com a recente história humana. Além da arquitetura, a cidade chama a atenção pelo rico acervo cultural e artístico, distribuídos pelos inúmeros museus e galerias de arte, com especial destaque para o Museu de Pergamon, Bode Museum e o Neues Museum. O passeio pela Ilha dos Museus é imperdível, mesmo para quem não pretende visitá-los, pois o seu jardim é extremamente agradável e os prédios são muito bonitos.

Berlim é muito bem servida de hotéis, restaurantes e um sistema de transporte público invejável. Não existe voo direto para o Brasil, mas a cidade está conectada com outros importantes centros da Alemanha e da Europa, através de trens, ônibus e voos diretos. Por duas vezes, fiquei hospedada fora do centro da cidade, no hotel Holiday Inn Berlin City – East e o recomendo bastante, pela facilidade de acesso ao próprio centro e pelos excelentes serviços oferecidos.

A Alexanderplatz é a praça mais famosa de Berlim e ponto de encontro de moradores e turistas que buscam apreciar a conhecida torre de televisão e o seu relógio. É um bom local para começar a descobrir a cidade. Uma boa opção de hospedagem, aqui, é o Hotel Radisson Blue.

 

Centro de Berlim, Alemanha

 

Fonte de Netuno, em praça de Berlim

 

Estátua de Karl Marx e Friedrich Engels

 

O Tiergarten é um parque na região central de Berlim (dia de verão)

 

Coluna da Vitória em bem cuidado parque da cidade de Berlim

 

Detalhe do Monumento Coluna da Vitória, localizado próximo ao parque Tiergarten

Em 1945, o acordo de paz do pós-guerra determinou que Berlim fosse dividida em 4 zonas de ocupação: de uma lado, soviética e, do outro, americana, francesa e britânica. A hostilidade que se seguiu entre os 2 grupos acabou por estabelecer o que ficou conhecido como o período da Guerra Fria, dividindo a cidade em oriental e ocidental, respectivamente. Em 1961, o lado oriental começou a construção do Muro de Berlim, para impedir a fuga de seus habitantes. Com 155km de extensão, persistiu até 1989, quando foi colocado abaixo. Até então, centenas de pessoas foram mortas durante tentativas de transposição para o ocidente.

Hoje, a parte mais comprida do que sobrou do Muro tornou-se uma verdadeira galeria a céu aberto, coberto com mistura bem eclética de pinturas e grafites, de diversos artistas. Confesso que é uma emoção indescritível ficar tão próxima e poder tocar em algo que concentra tamanho simbolismo e significado. Chamaram a minha atenção, igualmente, as marcas do Muro espalhadas em diversos pontos da cidade, no chão.

 

Muro de Berlim, Alemanha

 

Pintura no Muro de Berlim

 

Pinturas no Muro de Berlim

 

Turistas e moradores visitando o Muro de Berlim, na Alemanha

 

Marcas do antigo Muro de Berlim, no chão

 

Lembranças do que foi o Muro de Berlim

Berlim é muito rica em construções. A sua Catedral é um belíssimo exemplo de edificação neobarroca, erguida entre 1894 a 1905. A cúpula central possui cerca de 98 metros de altura e é toda revestida em cobre.

 

A belíssima e imponente Catedral de Berlim

 

Catedral de Berlim, na Alemanha

O símbolo oficial de Berlim, contudo, é o Portão de Brandemburgo: magnífico monumento com 12 colunas dóricas, ainda mais imponente e concluído em 1795, em estilo neoclássico (inspirado na Acrópole de Atenas). Em sua parte mais alta, está a bela estátua “quadriga” (da deusa grega da Paz Irene, em uma biga puxada por 4 cavalos).

O portão testemunhou marcantes acontecimentos da história mundial, como o nascimento e a ascensão do Terceiro Reich de Hitler.

 

O Portão de Brandemburgo, Alemanha

 

Vista da parte frontal do Portão de Brandemburgo

Outra construção de destaque é o Reischstag, palacete em estilo neorrenascentista, onde funciona o parlamento alemão. Berlim é, assim, o símbolo do poder político e econômico do país. A sua cúpula original foi destruída por um incêndio, antes da Segunda Guerra Mundial, e, durante essa, o prédio foi muito danificado por bombardeios. Com a unificação da Alemanha, o prédio foi restaurado e uma nova cúpula construída, desta vez em vidro transparente. Tanto a cúpula, quanto o terraço, estão abertos para a visitação diária e gratuita. É necessário o agendamento dos passeios, com 2 dias de antecedência, no site visite.bundestag.de.

 

O Parlamento alemão Reischstag e a sua bela cúpula de vidro, em Berlim

 

Berliner, famosa cerveja da cidade de Berlim, Alemanha

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *